domingo, 17 de julho de 2016

Revista TUDO - "Cuité e Sua Formação Histórica - 28-01-1990

Olá amigos do História de Cuité. Neste dia 17 de julho de 2016 comemoramos 248 anos de fundação da "Capital do Curimataú". Para comemorar esta data trago uma matéria sobre Cuité que saiu na imemorial revista "Tudo", referente ao jornal Diário da Borborema de 28 de janeiro de 1990.
A referida revista campinense traz uma bela matéria sobre a formação histórica do município de Cuité até sua emancipação em 25 de janeiro de 1937. Na ocasião, a revista trazia uma "homenagem" a Cuité em suas páginas pelo seu aniversário de emancipação política de 25 de janeiro daquele ano, que na época estava completando 53 anos de emancipação. 
Confira abaixo a histórica matéria:  


PARABÉNS CUITÉ - 248 ANOS DE FUNDAÇÃO.

Olá amigos do História de Cuité. Depois de um longo período sem postagens estamos aqui pra comemorar mais um ano de fundação da querida Cuité. Agora, são 248 anos de muita história, lutas e conquistas de seu povo. 
O blog História de Cuité presta um pequena homenagem com este painel comemorativo pelo seu aniversário de fundação. Que venham mais 248 anos de glórias para seu povo acolhedor e bravio. Parabéns Cuité.



quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

O Inusitado "Ônibus Zepelim" em Cuité

Olá pessoal, depois de um longo tempo sem postagens trago uma foto extremamente rara. A fotografia abaixo tratava-se de um curioso e inusitado "Ônibus Zepelim", isso mesmo, um ônibus que imitava as feições de um dirigível da década de 1930. Segundo André Santos, meu amigo, fornecedor da velha fotografia e que trabalha no Museu do Homem do Curimataú em Cuité, ele conseguiu esta imagem em um caderno pertencente a Zé de Ana, residente em Cuité. 
Segundo o mesmo, o ônibus aportou em Cuité no dia de seu aniversário de emancipação política no dia 25 de janeiro de 1942 (data esta segundo o proprietário da fotografia, Zé de Ana, mas não tenho a confirmação exata desta data, mas acredito eu que foi no final da década de quarenta pra cinquenta). O referido ônibus trazia restos de fetos e animais taxidermizados (mumificados, de acordo com a descrição no ônibus) em exposição para toda a população cuiteense da época que estava em festa pela emancipação política. 
Segundo fontes que colhi a respeito deste ônibus no Brasil, os primeiros "ônibus zepelins" foram construídos em São Luís capital do Maranhão, na década de quarenta, sobre o chassi de um Dodge. Joaquim Lourenço era o construtor desta inovação. Joaquim, que era mais conhecido na época como "Joaquim português", era um grande admirador das formas exuberantes dos famosos dirigíveis. Estes curiosos ônibus fizeram tanto sucesso que foram levados para o Belém do Pará e Manaus, anos mais tarde.
Acredito que esta atração deve ter percorrido diversos municípios paraibanos, mas graças ao amigo André Santos que gentilmente forneceu esta raríssima foto, vem a tona para que todos vejam que um dia o inusitado "ônibus zepelim" passou por Cuité. Confira abaixo esta rara fotografia: 

O curioso ônibus zepelim em Cuité 

Fonte da fotografia: Museu do Homem do Curimataú - Cuité - PB
Link da história dos ônibus zepelins no Brasil: http://www.ideafixa.com/o-onibus-zeppelin-no-brasil/

domingo, 19 de julho de 2015

Cuité e o Campinense Clube uma História de 45 anos

Olá pessoal do HISTÓRIA DE CUITÉ. Trago aqui um "caso de amor" de 45 anos. Trata-se de jogos entre equipes cuiteenses contra o Campinense Clube. Deixa melhor explicar. O Campinense Clube foi a primeira equipe profissional da Paraíba (que se tem notícias) a enfrentar uma equipe cuiteense, este fato ocorreu em 29 de março de 1970, contra a inesquecível equipe do Expressinho Esporte Clube Recreativo, com resultado de 5 x 0 para a Equipe "Cartola" de Campina Grande.
Ao longo dos anos o Campinense retornou a "Capital do Curimataú" várias vezes em amistosos contra equipes amadoras locais, em torneio (Mistão-70) ou enfrentando outra equipe profissional do vizinho Estado do Rio Grande do Norte, tratava-se do Alecrim de Natal, isto no ano de 2000. Coincidentemente as duas equipes neste ano de 2015 completaram 100 anos de fundação.
A última partida realizada foi no último dia 17 de julho de 2015, em um amistoso ao Cuité Esporte Clube. Equipe a mesma que havia vencido o Campinense por 2 x 0 em outro amistoso realizado no dia 25 de janeiro de 2012 alusivos as comemorações de emancipação política. 
A partida do último dia 17 de julho foi alusivo as comemorações de 247 anos de fundação de Cuité. Novamente o Cuité Esporte Clube (o tradicional adversário alvi-azulino de outrora) contra a equipe sub-20 do Campinense Clube comandada pelo treinador das categorias de base, Dagmar. A equipe principal do Campinense Clube não pode comparecer ao jogo festivo devido as disputas do Campeonato Brasileiro da Série D. Mas mesmo assim não tirou o brilhantismo da partida que terminou com o placar mínimo, ou seja, 0 x 0. 
A partida festiva além de comemoração dos 247 anos de fundação de Cuité, também serviu de reinauguração do Estádio Jeremias Venâncio dos Santos pela Prefeitura Municipal pela gestora, Euda Fabiana, que entregou a população o estádio reformado. O "Vovozão" (como é conhecido o apelido do referido estádio Jeremias Venâncio dos Santos) foi totalmente remodelado com um lance de arquibancadas com capacidade para 500 espectadores , além da inclusão de novos alambrados, vestiários, cabine de imprensa e banheiros revitalizados e com a área lateral que foi pavimentada com pisos intertravados de concreto, garantindo uma maior resistência e moldando a nova face do estádio.  
Ao longo dos anos outras equipes profissionais jogaram em campos cuiteense, seja no saudoso estádio cercado de avelós, que se localizava na "Rua do Louro" (25 de janeiro), o Estádio Pedro Viana,  ou no Estádio Jeremias Venâncio dos Santos (inaugurado em 25 de janeiro de 1973). Equipes como o Treze (Galo da Borborema) também de Campina Grande, Botafogo de João Pessoa, América de Esperança, entre outras visitaram a "serrinha". 
Dentre todas as equipes, o Campinense foi a que mais jogou em Cuité, ao todo foram aproximadamente 9 jogos conhecidos desde 1970, e que muitos jogos sejam realizados pela atual equipe campeã paraibana de 2015 e o Cuité Esporte Clube atual campeão da Copa Curimataú

Escudo atual do Campinense Clube

Equipe do Campinense que enfrentou equipes cuiteenses em 1970

Equipe sub-20 do Campinense Clube que enfrentou a equipe do Cuité Esporte Clube em 17 de julho de 2015

Equipe do Cuité Esporte Clube que enfrentou o Campinense Clube e empatou de 0 x 0 em 17 de julho de 2015 alusivo as comemorações de 247 anos de fundação de Cuité.

Arquibancada construída no jogo de reinauguração do Estádio Jeremias Venâncio dos Santos em 17 de julho de 2015.

Arquibancada construída no jogo de reinauguração do Estádio Jeremias Venâncio dos Santos em 17 de julho de 2015.
Lance da Partida entre o Cuité E. Clube e o Campinense sub-20

Mais um detalhe da nova arquibancada construída.

Lance da última partida realizada entre Cuité e Campinense em 17-07-2015. 


OBS: Agradecimentos das fotos da partida Cuité Esporte Clube 0 x 0 Campinense Clube realizado no dia 17 de julho de 2015 ao blog SERRA DE CUITÉ

sábado, 18 de julho de 2015

PARABÉNS CUITÉ - 247 ANOS DE FUNDAÇÃO

17 de Julho de 1768, a exatos 247 anos o Patriarca Caetano Dantas Corrêa requereu datas no Olho d'Água do Coyté para criação e povoamento do referido lugar, dando origem assim ao núcleo habitacional que mais tarde se chamaria de "Cuité".
17 de Julho de 2015 comemoramos esta importante data de transformações ao longos destes séculos.
Parabéns Cuité pelos seus 247 anos de fundação. Esta é uma pequena homenagem do blog História de Cuité a todos os internautas.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Resquícios do Muro de Pedras do Cerco da Serra - Século XIX

Olá pessoal do HISTÓRIA DE CUITÉ. No último domingo dia 31 de maio pela manhã em visita a um mirante na Serra do Cuité lado norte próximo ao novo lixão municipal, pude identificar um primitivo muro de pedras em local de difícil acesso.
De acordo com minhas pesquisas este primitivo muro são resquícios de um grande muro de pedras que circundava toda a Serra do Cuité, passando onde atualmente encontra-se os municípios de Cuité, Nova Floresta e Picuí na Paraíba, atravessando também o Estado do Rio Grande do Norte, onde atualmente se encontram os municípios de Jaçanã, Coronel Ezequiel e Currais Novos. O Cerco da Serra foi fechado no final do século XIX, mais precisamente em 1891 com objetivo de isolar a parte fértil no cimo da serra destinada à agricultura da parte baixa destinada à pecuária de gado bovino muito difundida na região.  
De acordo com o professor e historiador cuiteense José Pereira Sobrinho o cerco também tinha a denominação de "Travessão". 
O acordo consistia e determinava que todo proprietário teria que cercar a parte que fazia fronteira com as descidas (grotas). Na localidade onde o proprietário não dispusesse de pedras para o cerco ele então fazia grandes valados no solo, para desta forma impedir que o gado bovino transpassasse a área destinada da pecuária para a área agrária.
Este acordo foi feito entre o Coronel Silvino Bezerra de Araújo Galvão (chefe político acariense, representando o Rio Grande do Norte) e o senhor Thomaz Soares da Costa Campos (representando a Paraíba). Foi utilizado as pedras já que o arame praticamente inexistia no interior do Nordeste brasileiro.
Este fato pode ser encontrado no livro do Padre Luiz Santiago: "Serra do Cuité - Sua História, seus progressos, suas possibilidades" de 1936. Confira abaixo parte do trecho encontrado no referido livro:

CERCO DA SERRA

"A serra fora cercada aos poucos, fechando o circulo em 1891. Pela Paraíba fôra cercada á deliberação da Camara Municipal, cujo presidente era o sr. Antonio Ferreira de Melo Ramos, que o fez a instancias do sr. Thomaz Soares da Costa Campos, o qual infrentou toda a direção do serviço. Pelo lado do Rio Grande do Norte fora cercada á intervenção do Coronel Silvino de Araujo Bezerra."

Atualmente são pouquíssimos os registros deste primitivo muro de pedras na Serra do Cuité. Não tenho informações se ainda existe restos deste muro nos municípios onde a serra passa como Picuí, Nova Floresta e os municípios do Rio Grande do Norte. Confira abaixo um dos resquícios ainda existentes na serra:

Um pequeno resquício do primitivo muro de pedras vista no centro da imagem descendo a serra no lado norte em Cuité, ao lado do novo lixão do município.

Resquícios dos primitivos muros de pedras do "Cerco da Serra" de 1891 (pequeno muro de pedras visto no centro da imagem na descida da serra).

Thomaz Soares da Costa Campos, importante chefe político de Cuité, representante pela construção do lado paraibano da serra.  

Cel. Silvino Bezerra da Araújo Galvão, chefe político acariense representante pela construção do lado potiguar da serra.  

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Revista "PR'A VOCÊ" - Maio de 1940 - "Cuité - Sob uma administração fecunda"

Olá pessoal do HISTÓRIA DE CUITÉ, trago aqui uma raríssima reportagem da extinta mini-revista mensal que circulava em João Pessoa no final da década de 1930 e início da década de 1940 com o nome de PR'A VOCÊ. Na raríssima reportagem da revista de maio de 1940, traz o seguinte título: "Cuité - Sob uma administração fecunda", este título se deu pelo fato da nomeação do mais novo Prefeito de Cuité, tratava-se do Sr. Rivaldo Silvério da Fonseca (filho de Basílio Magno da Fonseca e Maria Florentina da Fonseca), que no dia 27 de fevereiro de 1940 que era nomeado para o cargo de Prefeito Municipal de Cuité pelo Interventor Estadual o Sr. Argemiro de Figueiredo.
Na interessante entrevista que a revista fez com o Dr. Rivaldo Silvério (que anos mais tarde seria um renomado Desembargador do Tribunal de Justiça da Paraíba) em João Pessoa acerca das atividades realizadas no "longínquo município" de acordo com a revista. 
O Prefeito recém nomeado revelou na época que o município encontrava-se em franco progresso e que encontrou um saldo positivo de caixa de sete contos e com todos os compromisso em dia. Estes dados acima mostra a competência que os primeiros administradores do recém restaurado município de Cuité tinha com sua população, foram eles Pedro Viana da Costa, João Venâncio da Fonseca e Jeremias Venâncio dos Santos.
O Sr. Rivaldo Silvério que em 1943 se formava em Direito pela Faculdade de Recife, tinha enormes perspectivas para o município, que pretendia executar várias obras de melhorias em todo o município, mas boa parte delas não foram executadas durante seu mandato, o Prefeito Rivaldo Silvério permaneceu no cargo até 16 de agosto do mesmo ano, sendo substituído por Hercílio Rodrigues de Oliveira
Coincidentemente, na redemocratização do país, após do fim da "Era Vargas" em 1945, as primeiras eleições municipais de Cuité realizada em 1947, seu pai, Basílio Magno da Fonseca, tornou-se o Primeiro Prefeito Eleito de Cuité.  O Sr. Basílio Magno da Fonseca já tinha a experiencia de Prefeito Municipal de Picuí no período de 1932 a 1936.
Confira abaixo a matéria completa do raro material coletado: 

Matéria da revista sobre a nomeação do Sr. Rivaldo Silvério da Fonseca no cargo de Prefeito Municipal de Cuité

Capa da Revista mensal PR'A VOCÊ